pt

Medicina Tradicional Chinesa

Medicina Tradicional Chinesa

A Medicina Tradicional Chinesa (MTC), também conhecida como Medicina Chinesa, é a denominação do conjunto de terapêuticas, teorias, saberes e técnicas desenvolvidas ao longo de milhares de anos na China. É considerada uma das medicinas mais antigas do mundo, estando a sua base filosófica e os seus pressupostos teóricos assentes em premissas como a relação entre o Yin e o Yang, a Teoria dos cinco elementos, a Teoria dos Meridianos do corpo humano, os ZangFu, entre outras.

Na sua base, a Medicina Tradicional Chinesa compreende o indivíduo como um ser que influencia e é influenciado pelo meio ambiente e pelos ciclos da natureza. Desta forma, tenta aplicar esta visão tanto ao tratamento das patologias como à manutenção da saúde através das suas diversas terapêuticas a Acupuntura, a Moxabustão, a Fitoterapia, a Massagem Tui Na, a Dietética, a Ventosaterapia, a Auriculoterapia, o Tai Ji e o Qi Gong.

O que esperar numa primeira consulta de Medicina Tradicional Chinesa?

Numa primeira consulta é realizado um diagnóstico e o respectivo tratamento. Para um diagnóstico conclusivo normalmente são colocadas questões relativas a aspectos da condição que motivou a consulta e a aspectos do dia-a-dia do paciente (e.g. hábitos alimentares, hábitos de sono, estilo de vida, etc). Adicionalmente poderão ser utilizados métodos de diagnóstico próprios da Medicina Tradicional Chinesa tais como a observação da língua ou a medição de pulso.

 

Moxabustão

A Moxabustão ou Moxibustão é uma técnica que utiliza o calor para estimular um ponto de acupuntura, meridiano ou uma zona mais genérica. Normalmente é utilizada uma planta, a artemísia, que pode ser conjugada com outras substâncias tais como gengibre ou alho. Apesar da Moxabustão ou Moxibustão ser frequentemente entendida como uma terapêutica independente, na prática ela é parte integrante da acupuntura. A estreita relação entre o uso das agulhas e da moxa, na acupuntura, fica evidente na tradução literal da expressão que, em chinês, designa acupuntura (Zhen Jiú 针灸), sendo Zhen (针) agulha e Jiú (灸) fogo (acção de cauterizar).

A combustão da artemísia aquece profundamente a zona ou ponto a tratar removendo assim as obstruções de energia que bloqueiam o fluxo de energia pelos meridianos. A nível fisiológico podemos afirmar que o aquecimento das zonas a tratar promovem a vasodilatação e o relaxamento muscular.

 

Fitoterapia

A Fitoterapia Chinesa ou Medicina Herbal Chinesa é a terapêutica que recorre ao uso de ingredientes de origem vegetal, mineral ou animal para o tratamento de patologias ou desequilíbrios. Esta terapêutica desenvolveu-se na China ao longo de milhares de anos através de experimentação empírica. Tradicionalmente estes conhecimentos eram passados dentro de famílias específicas, de pais para filhos, de geração em geração. Só na história recente é que foi sistematizada e ensinada em universidades. Os diversos ingredientes que compõem cada fórmula prescrita pelo Especialista em Medicina Tradicional Chinesa são combinados em proporções que maximizam os seus efeitos e inibem possíveis efeitos secundários.

A Medicina Tradicional Chinesa classifica as suas ervas mediante o seu sabor e a sua temperatura, ou seja, no efeito que esse ingrediente vai ter no organismo, se tem a capacidade de aquecer o corpo ou pelo contrário o refrescar.

Tradicionalmente estas prescrições ou fórmulas são consumidas em forma de decocção embora possam ser encontradas em comprimidos, cápsulas ou gotas.

 

Tui Na

A Massagem Tui Na ou Tuiná é um sistema de massagem terapêutica desenvolvido ao longo de milhares de anos. A Tuiná baseia-se num conjunto de técnicas e/ou manipulações que estimulam os pontos ou outras partes do corpo para corrigir o desequilíbrio fisiológico e energético e, desta forma, alcançar os efeitos curativos desejados.

Apesar da Massagem Tuiná poder ser utilizada de maneira isolada, é frequentemente associada a outras técnicas terapêuticas da Medicina Tradicional Chinesa tais como a Acupuntura ou a Ventosaterapia.

 

Dietética

A Dietética da Medicina Tradicional Chinesa baseia-se nos mesmos pressupostos teóricos que todas as outras terapêuticas. Os alimentos são classificados mediante as suas diversas características tais como o sabor (doce, salgado, picante, amargo ou ácido) ou a temperatura (quente, morna, neutra, fresca ou fria). Desta forma, e tendo por base a certeza que todo o alimento que consumimos tem um efeito no nosso organismo tanto a nível energético como a nível fisiológico, o Especialista em Medicina Tradicional Chinesa, em conjunto com o paciente vai procurar reajustar os hábitos alimentares com o objectivo de melhorar a sua condição. Estes conselhos alimentares são ajustados às particularidades do dia-a-dia do paciente já que se torna extremamente importante que este consiga fazer ajustamentos de uma maneira realista e sem extremismos.

 

Ventosaterapia

A ventosaterapia (ou Cupping) é uma das terapias que constituem a Medicina Tradicional Chinesa e é utilizada no Oriente há pelo menos 2000 anos, altura em que surgiu pela primeira vez descrito na literatura. Em Portugal também é utilizada há várias décadas e é conhecida como "copos" ou "colocar os copos". Frequentemente surgem na clínica pacientes que afirmam que os pais ou avós, geralmente em aldeias, utilizavam esta mesma técnica há muitos anos quando tinham dores musculares.

Esta técnica utiliza ventosas que podem ser feitas de vários materiais assim como vidro, bambu ou plástico e o princípio básico é retirar o oxigénio que se encontra na ventosa e encostá-la à pele produzindo um efeito de sucção que provoca, quando existe muita tensão ou congestionamento na zona, uma equimose (que desaparecerá ao fim de alguns dias). Esta terapia é extremamente eficaz no tratamento da dor, assim como em problemas do foro respiratório.

Além do relaxamento muscular, os efeitos comprovados da ventosaterapia são a estimulação da circulação local, o que provoca a libertação de toxinas. A ventosaterapia é utilizada para inúmeras condições tais como dores nas costas (cervical, dorsal e lombar), tensão muscular, dores de cabeça, reumatismo, ansiedade, problemas respiratórios ou fadiga.

 

Tai Ji e Qi Gong (Qi Kung)

O Tai Ji Quan (Tai Chi Chuan) e o Qi Gong (Chi Kung) são práticas energéticas utilizadas pelo povo chinês há milhares de anos e há várias dezenas de anos por outros países que os importaram pelos seus benefícios. Estas artes, que utilizam movimentos coordenados, técnicas de respiração assim como exercícios de meditação (mais no caso do Qi Gong), têm efeitos benéficos no reequilibrio da homeostase do corpo humano.